ECONOMIA SEMPRE PERTO DE VOCÊ!

ECONOMIA SEMPRE PERTO DE VOCÊ!

CONSTRUIR OU REFORMAR? ESSE É O LUGAR...

CONSTRUIR OU REFORMAR? ESSE É O LUGAR...










quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

Criança de 2 anos morre engasgada com tampa de garrafa pet



Uma fatalidade foi registrada na tarde da da última sexta-feira (7). Uma criança, de 2 anos, morreu engasgada com uma tampa de garrafa pet. O caso ocorreu em Macapá, Amapá.

Equipes de socorro do Centro de Especialidades Dr. Papaléo Paes e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) atenderam a vítima, identificada como Arthur Gomes Benjamim, porém, ela não resistiu.


De acordo com os socorristas, o menino estava com as vias aéreas obstruídas. Após o óbito ser confirmado, o corpo de Arthur foi levado para perícia na Polícia Científica.

Pai do garoto se pronuncia

O pai da criança se pronunciou pela primeira vez sobre o caso na última terça-feira (11). O homem disse, por meio de uma carta de esclarecimento, que está sofrendo diversas críticas, principalmente nas redes sociais e da família materna do garoto.

No relato, Carlos Alberto Gomes Pereira Filho, que trabalha como delegado da Polícia Civil do Amapá, disse que fez de tudo para salvar a vida do filho e detalha o sofrimento que passa com as alegações de negligência. Os dois estavam sozinhos no momento do acidente.



"Eu fiz de tudo para salvar a vida do meu filho. Quando ele engoliu a tampinha, estava próximo de mim, e o fez no momento em que eu estava organizando as coisas pós almoço. Não houve falta de cuidado, ele estava sendo monitorado, foi uma tragédia que eu não desejo a nenhum pai ou mãe", contou.

"Pergunto, então, quem é que vai imaginar que o filho vai morrer por ter uma garrafa pet de água mineral em casa? Em qual contexto esse resultado é imaginável ou esperado? Qual pai pode ser apontado como negligente por isso? Na verdade, fossem as acusações só de negligência, seriam menos dolorosas. Estou diariamente sendo chamado de assassino."

Ainda de acordo com o pai, a tragédia aconteceu na cozinha da casa dele, logo após o almoço. O filho estava a poucos metros brincando no chão. Quando a criança ficou em silêncio, Carlos Alberto se virou e percebeu que ela já não estava se mexendo.

"Assustado e sozinho, tentei identificar o que estava ocorrendo, mas no momento de desespero não consegui entender ou detectar o motivo, a reação que consegui ter, naquele momento, foi de checar os seus sinais vitais, que estavam presentes. Imediatamente, coloquei ele no meu colo e o levei às pressas até a unidade de saúde mais próxima", escreveu.

"Lá chegando, o médico imediatamente o atendeu. A equipe médica optou por chamar o SAMU, que chegou após aproximadamente 30 minutos, o que aumentou ainda mais a minha angústia, já que não sabia o que estava acontecendo com o meu filho. Após a sua chegada a equipe do SAMU rapidamente identificou o problema e retirou uma tampinha de garrafa pet das vias aéreas do meu filho. Infelizmente, ele já não apresentava mais sinais vitais."

Fonte: G1.


CLIQUE AQUI PARA ENTRAR NO GRUPO DE WHATSAPP DO CANAL HP

SÃO JOÃO DO IVAÍ

SÃO JOÃO DO IVAÍ

SÃO PEDRO DO IVAÍ

SÃO PEDRO DO IVAÍ

GODOY MOREIRA

GODOY MOREIRA

LUNARDELLI

LUNARDELLI