ECONOMIA SEMPRE PERTO DE VOCÊ!

ECONOMIA SEMPRE PERTO DE VOCÊ!

CONSTRUIR OU REFORMAR? ESSE É O LUGAR...

CONSTRUIR OU REFORMAR? ESSE É O LUGAR...










sexta-feira, 17 de junho de 2022

Farmácia no Vale do Ivaí é autorizada a vender produtos à base de maconha

 


Uma empresa de Apucarana, norte do Paraná, foi autorizada pela Justiça Federal a importar e adquirir Cannabis sativa, conhecida como “maconha medicinal”. A farmácia de manipulação poderá adquirir insumos para produção de medicamentos à base de cannabis.


A decisão foi assinada pelo juiz federal Roberto Lima Santos, da 1ª Vara Federal de Apucarana. A farmácia de manipulação é regularmente registrada, entretanto, estava proibida de fazer esse tipo de comércio pelo normativo de 2019 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O magistrado explica que ao impedir a fabricação de produtos de cannabis e, assim, permitir que drogarias e farmácias sem manipulação possam vendê-los, Anvisa está em desacordo com as Leis Federais. Tais leis tratam especificamente das atividades permitidas às farmácias com e sem manipulação, e que não preveem a modalidade de restrição em questão.

O fato da atividade econômica principal da autora da ação estar cadastrada como “comércio varejista de produtos farmacêuticos, com manipulação de fórmulas”, para o juiz, não impede que a empresa participe do processo de importação da matéria-prima da mesma forma que outros fornecedores.

“Autorizar a participação da empresa autora […], não viola ou nulifica, de modo algum, a inversão do ônus da prova do atendimento aos requisitos cautelares hábeis a minorar os possíveis danos decorrentes da incerteza científica, porque a empresa autora deverá sujeitar-se à obtenção da Autorização Sanitária (AS) tal qualquer outra empresa”, comenta Roberto Lima Santos.



Na justificativa, também foi citada a decisão do Superior Tribunal de Justiça que concedeu liberou o cultivo da Cannabis sativa a três pessoas com a finalidade de extrair óleo medicinal para uso próprio.

“Seria paradoxal imaginar que a agência reguladora autorizasse a importação de insumos proibidos para fins medicinais. E se já há autorização regulamentar para este fim, não se cogita de violação à política antidrogas, desde que a importação e a manipulação se deem nos estritos limites do tratamento compassivo. Isto porque os ‘insumos’ não se afiguram psicoativos”, explica o juiz.

Roberto Lima Santos conclui, então, que “não há flexibilização da política antidrogas e estando a tutela da saúde coletiva confortada por parâmetros já estabelecidos e praticados pelas autoridades competentes, sob a orientação do Conselho Federal de Medicina (CFM), não persistirão quaisquer óbices alfandegários, dado o ingresso dos insumos em condições de legalidade, e a legitimidade dos atos de importação segundo as balizas estatais previamente instituídas”.

CLIQUE AQUI PARA ENTRAR NO GRUPO DE WHATSAPP DO CANAL HP

SÃO JOÃO DO IVAÍ

SÃO JOÃO DO IVAÍ

SÃO PEDRO DO IVAÍ

SÃO PEDRO DO IVAÍ

GODOY MOREIRA

GODOY MOREIRA

LUNARDELLI

LUNARDELLI