ECONOMIA SEMPRE PERTO DE VOCÊ!

ECONOMIA SEMPRE PERTO DE VOCÊ!

CONSTRUIR OU REFORMAR? ESSE É O LUGAR...

CONSTRUIR OU REFORMAR? ESSE É O LUGAR...










sábado, 16 de julho de 2022

Idoso de Fênix passa por cirurgia de emergência e família alega que houve negligência



A família do senhor Manoel Messias, de 84 anos, procurou a reportagem do Canal HP e relatou que o aposentado mora em Fênix e que no dia 20 de junho, sofreu uma queda, sendo então encaminhado ao Pronto Atendimento do município para os primeiros atendimentos.


Rosangela Messias é filha do idoso e comenta que seu pai recebeu a atenção primária no município e foi então encaminhado ao hospital de referência, que é a Central Hospitalar de Campo Mourão, devido à suspeita de fratura e a necessidade de exames.


“Ele chegou no hospital em Campo Mourão e não deixaram minha mãe acompanhar o atendimento, como é permitido por lei. Não sabemos se fizeram os exames necessários, mas liberaram ele apenas dando uma receita de medicamentos. A ambulância do município então levou meu pai de volta para casa, em Fênix”, alega a filha.


Rosangêla mora em Paiçandu e conta que no dia 21 de junho, diante da situação que se encontrava seu pai, decidiu leva-lo para Paiçandu, onde conseguiria dar melhores cuidados em casa. Ela ainda conta que seu pai não melhorava com o medicamento prescrito e entrou em contato com o hospital para ter informações do atendimento e foi informada pelo funcionário que atendeu que atendimento realizado pelo SUS não era repassado informações, daí procurou a secretária de Fênix para ver se ela conseguiria entrar em conta com o hospital, mas ela respondeu para ligar no hospital. A filha alega que a secretária não teria demonstrando interesse, e, devido ao intestino de seo Manoel ter parado, a filha resolveu leva-lo no dia 24 para o hospital de sua cidade.



“Trouxe meu pai para Paiçandu e foi aqui que aconteceu todos os encaminhamentos necessários. Ele foi atendido no hospital de Paiçandu e o médico viu que a situação era grave e encaminhou meu pai para o Hospital Universitário de Maringá (HU). Lá fizeram todos os exames e ele ficaria em jejum para fazer a cirurgia, mas ao fazer a tomografia o médico contatou a fratura e, devido a gravidade, nos falou que lá não havia suporte para realizar. Então ele resolveu transferir novamente meu pai, mas nos informou que o nome dele seria colocado na central de vagas, foi então que me desesperei por causa da situação dele e comecei a correr atrás do pessoal de Fênix para pedir que fizessem alguma coisa para acelerar, mas tentei entrar em contato com a secretária e com o prefeito, inclusive, como o prefeito não me atendia, fiz contato com o irmão dele para pedir atenção. Mesmo assim disse que veria o caso, mas nada fizeram. Foi então que tudo foi viabilizado através da secretaria de Saúde de Paiçandu”, relata Rosângela.


Foi constado no exame que o idoso estava com fratura gravíssima no acetábulo, e a lesão estava perfurando a pelve do paciente. “Meu pai ficou com dores aguardando a transferência no corredor do HU. Não poderia deixar ele naquele estado e estava procurando ajuda do município de Fênix para que arrumassem a ambulância para transferência, mas todo meu auxílio e amparo foi dado pelo município de Paiçandu. Foi então que conseguimos a transferência do meu pai para o Hospital Santa Rita de Maringá, onde ele passou pelo procedimento cirúrgico”, reforça a filha, que disse que pediu ajuda para políticos de Paiçandu, que conseguiram auxiliar.    


A família está revoltada com a situação e alega que a Central Hospitalar de Campo Mourão não quis fornecer o prontuário do primeiro atendimento. “Quero saber como foi o atendimento, já até recorri à ouvidoria do estado, mas o hospital não responde. Quero divulgar para que isso não aconteça com outro idoso. Eles têm o direito de ser acompanhados em todo atendimento médico”, frisa a filha.


O Canal HP entrou em contato com a secretária de Saúde de Fênix, Flávia Mendonça Casale, que contesta as informações repassadas pela filha do paciente, afirmando que o município prestou atendimento e fez o encaminhamento padrão. 

A secretaria encaminhou o relato da enfermeira que atendeu o paciente no dia dos fatos: 


Sou Glaucia C G Sanches,  enfermeira responsável pelos plantões em pronto atendimento 24 hrs em Fênix, estava no plantão do dia 20 de junho de 2022, onde o Senhor Manoel Messias chegou solicitando consulta por estar sentindo dores em uma das pernas, relatava dor em joelho também. Após  chegar no PA, sendo trazido por um carro particular, uma Saveiro, provavelmente de algum familiar, Sr Manoel foi acolhido com cadeira de rodas na porta do PA, atendido na emergência, sendo chamado o médico plantonista para avaliação, sendo então atendido por mim e por uma técnica de enfermagem. O médico suspeitou de uma  fratura em fêmur, após uma queda que o paciente sofreu na casa, queda da própria altura, em nenhum momento neste dia foi acionado ambulância para este atendimento, pois paciente veio voluntariamente até o PA. Sr Manoel após avaliação da enfermagem verificado todos sinais vitais e visto um dos membros inferiores com dor e Edema, tendo  avaliação médica, foi medicado com analgésicos e encaminhado para RX, sendo pedido vaga e autorização em hospital de Campo Mourão, sendo nossa origem, e com protocolo após quedas ou acidentes encaminhamos  pacientes para RX e então pacientes são avaliados e passam por atendimento lá onde se faz o RX, passando por ortopedia. Nós da saúde de Fênix e plantonistas do pronto atendimento fizemos uma atuação de rotina e de excelência na  emergência ao atender Sr Manoel após sua entrada no pronto atendimento no dia de sua queda. Após o paciente seguir seu protocolo e ir a Campo Mourão, e ser atendido por especialistas, nós da saúde de Fênix sempre estamos a disposição para buscá-los em alta hospitalar ou mesmo transferi-los caso seja necessário. Eu, Gláucia, fico a disposição para ajudar em qualquer situação!


A reportagem entrou em contato com a Central Hospital de Campo Mourão para questionar sobre como foi o atendimento e se o motivo do prontuário não ter sido liberado para a família, como alega a filha. A recepcionista da instituição informou que informações serão dadas pelo jurídico do hospital assim que retornarem ao expediente nesta segunda-feira (18). 


O Canal HP deixa o espaço livre para futuros esclarecimentos a quem interessar. 

CLIQUE AQUI PARA ENTRAR NO GRUPO DE WHATSAPP DO CANAL HP

SÃO JOÃO DO IVAÍ

SÃO JOÃO DO IVAÍ

SÃO PEDRO DO IVAÍ

SÃO PEDRO DO IVAÍ

GODOY MOREIRA

GODOY MOREIRA

LUNARDELLI

LUNARDELLI